Pular para o conteúdo principal

Hedge Cambial

 Sandro Souza | 10/02/2021 | 13:25h

O hedge cambial é uma ferramenta criada para proteger as empresas das flutuações do câmbio em momentos de oscilação.


O dólar americano é a moeda mais usada no mundo e sua cotação é sempre uma incógnita. É impossível garantir valores, uma vez que esse indicador caminha na esteira de incertezas vivenciada pelo mundo. Em tempos de várias ondas da pandemia do coronavírus e de indicadores políticos e econômicos conturbados, a moeda americana caminha em ritmo de montanha-russa.

Para se ter uma ideia, no primeiro dia útil de 2021, o dólar valia R$ 5,16. Ao longo do ano, chegou ao patamar de R$ 5,80, mas, também, foi a menos de R$ 5. Em 2022, a cotação está na casa dos R$ 5,30, mas eleições e outros fatores podem fazer tudo mudar rapidamente.

A boa notícia é que quem contrata o hedge cambial não precisa se preocupar com esse sobe e desce. A ferramenta é capaz de travar uma taxa de fechamento e garantir tranquilidade para as empresas ou pessoas físicas que optarem pelo mecanismo.

Vamos entender como isso funciona. Imagine um empresário que importa eletrônicos e decide comprar um lote de calculadoras para revender os produtos no Brasil. No momento da intenção da compra, o câmbio é de R$ 5,15 e o preço acertado é de US$ 1 dólar por equipamento. Seguindo um planejamento, ele venderá cada calculadora no Brasil por R$ 10 e terá uma margem de R$ 4,85 para arcar com custos locais e conseguir seu lucro.

Contudo, na data da entrega das calculadoras e do pagamento, o câmbio oscilou para R$ 5,80. Imediatamente, o valor da margem cai para R$ 4,20 e isso pode comprometer a lucratividade do negócio, tendo em vista todos os custos da operação. Justamente para evitar esse tipo de surpresa indesejada há o hedge cambial. Ufa, agora ficou mais fácil, né?

É possível fazer hedge cambial para todas as operações de moeda estrangeira. Na ocasião do fechamento de um negócio, seja ele uma importação de produtos, venda de commodities, ou até mesmo a compra de uma casa no exterior, é possível solicitar o travamento do câmbio na data escolhida. Não importa se você é de uma grande empresa exportadora ou uma mãe mandando dinheiro para manter seu filho no exterior. Tem hedge cambial para todo mundo!

“A ideia é que o cliente jogue fora essa variável que é a taxa cambial e se preocupe em comprar e vender seus produtos”, diz Bruno Foresti, superintendente de Câmbio do Banco Ourinvest.

E não existe uma quantia mínima para buscar o hedge cambial. Há vários formatos para atender a necessidade de cada cliente, como NDF, opções de câmbio e swap cambial.

Em resumo, o cliente decide quanto do montante quer proteger e busca no mercado financeiro agentes dispostos a realizarem o travamento comercial com base em uma contrapartida. Geralmente, as transações são feitas em dólar, mas é possível fazer o travamento em qualquer moeda.

O ideal é buscar parceiros que ajudem o cliente a identificar qual a trava de câmbio mais indicada para o seu negócio, com base em variáveis como volume de vendas, prazos, custos fixos da operação e lucratividade desejada.

O hedge cambial é uma ferramenta antiga que foi ganhando destaque ao longo dos anos. A busca de hedge, ou proteção contra oscilações inesperadas nos preços, começou no século XIX no mercado de commodities agrícolas de Chicago, nos Estados Unidos.

Agricultores e pecuaristas que levavam produtos à cidade temiam quedas súbitas nas cotações no caso da oferta ser muito superior à demanda. Para evitar isso, os preços passaram a ser negociados antes da entrega. Essa foi a origem das operações a termo. Depois, essas operações foram aperfeiçoadas e deram origem aos modernos derivativos, hoje comuns no mercado financeiro.

Quer saber um pouco mais sobre câmbio e derivativos? Participe da minha consultoria Pense Como Empresa. Clique aqui e mande uma mensagem no meu WhatsApp.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Multipropriedade?

Sandro Souza | 10/04/2021 | 11:00 Primeiramente, é preciso entender que quando falamos em fração imobiliária, o assunto se divide em dois conceitos diferentes: fraction e time sharing. Sendo assim, você sabe o que significa ter um imóvel compartilhado? Multipropriedade é o regime de condomínio em que cada um dos proprietários de um mesmo imóvel é titular de uma fração de tempo, à qual corresponde a faculdade de uso e gozo, com exclusividade, da totalidade do imóvel, a ser exercida pelos proprietários de forma alternada. Diferente do time-sharing a multipropriedade da direito a escritura pública. O tempo de uso para cada comprador fica definido de acordo com a fração de sua participação na compra.  Fraction No modelo fraction o cliente é detentor da propriedade, ou seja, tem o direito ao título do bem, além de todos os direitos inerentes ao imóvel, podendo até mesmo vendê-lo e lucrar com a sua valorização. Na prática, os integrantes de um grupo de fraction têm, de fato, uma fração do o

SFH - Sistema Financeiro de Habitação

 Sandro Souza | 25/01/2021 | 07:00 O SFH (Sistema Financeiro de Habitação) foi criado pela Lei 4.380/64 e tem como característica a regulamentação das condições de financiamento imobiliário, por exemplo, taxa de juros, quota, prazos.  O Governo Federal pode intervir em qualquer um dos aspectos do financiamento. Nesse sistema estão incluídas as operações contratadas com recursos do SBPE, FGTS, inclusive o Programa Casa Verde e Amarela (substituiu o programa #MCMV Minha Casa Minha Vida). As operações com recursos do FGTS observam, ainda, regulamentação própria. Quer saber mais sobre isso? É só mandar um e-mail para sanapso@gmail.com Sandro Souza Corretor de Imóveis | Consultor de investimentos  Crecisp Segunda Região 187.292-F | E-mail: sanapso@gmail.com  Fone: +55(11)4399-3797 | Móbile/Whatsapp +55(11)99656-0142  Mídias sociais: @sanapso ********************************************************************************* DTP Data & Solution  Consultoria, Representação e Negócios Financ

INCC - Índice Nacional de Custo da Construção

Sandro Souza | 18/09/2021 | 11:00 O INCC possibilita o pleno acompanhamento da evolução dos preços de materiais, serviços e mão-de-obra mais relevantes para a construção civil. Este índice é utilizado como indexador nos contratos de compra e venda de imóveis na planta. O INCC se define de maneira mensal pela Fundação Getúlio Vargas , aferindo-se ao aumento dos custos de insumos que se empregam as construções habitacionais que são financiadas. Esse índice está entre os três componentes do Índice Geral de Preços (IGP), sendo assim, correspondem a 10% de sua composição. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) foi o primeiro índice desenvolvido para monitorar a evolução dos preços de materiais, serviços e mão-de-obra destinados a construção de residências no Brasil. Além de se um dos índices componentes do Índice Geral de Preços (IGP) do FGV IBRE, o INCC continua sendo, mais de 70 anos depois, um dos mais importantes indicadores de preços para o seu segmento. Na década de 50, sua