Pular para o conteúdo principal

O que é NDF?

Sandro Souza | 30/10/2021 | 08:30

O mercado financeiro costuma ter um vocabulário próprio com muitas siglas. Mas o tal ‘economês’ pode ser mais simples do que você pensa. Hoje, vou te explicar tudo o que você precisa saber sobre NDF.

Obs: Este texto foi escrito pela Michele Loureiro uma das produtoras de  conteúdo que me ajudam a disseminar o conhecimento sobre este mercado financeiro.



A sigla é a abreviação de non deliverable forward, em inglês, que significa simplesmente um contrato a termo sem entrega física de dinheiro. O objetivo é que empresas possam usar o NDF para se blindarem de uma alta ou uma queda da taxa de câmbio.

Em suma, o NDF é uma ferramenta criada para ajudar a proteger as companhias das flutuações das moedas e, junto com a trava de câmbio e a opção de câmbio, compõe o portfólio de hedge cambial das instituições financeiras.

Particularidades do NDF

O principal diferencial da operação de NDF como ferramenta de proteção cambial é que a empresa contratante não precisa apresentar documentos de câmbio, uma vez que se trata de uma operação com instrumento derivativo referenciada em uma taxa de câmbio.

Além disso, o NDF pode ser contratado para liquidação em períodos superiores a um ano. Ou seja, esse instrumento permite ter a previsibilidade e o planejamento de negócios que exigem transações entre países.

Quem pode usar NDF?

O contrato de NDF é muito utilizado como instrumento de hedge cambial por importadores e exportadores. Suas principais características são negociação de valores, vencimento e preço futuro negociados no ato da contratação.

“Não há desembolso inicial de caixa, nem ajustes diários. A liquidação se dá em reais pela diferença financeira entre o acordado e o valor de mercado na data do vencimento”, diz Bruno Foresti, superintendente de Câmbio do Banco Ourinvest.

O principal objetivo é fixar de forma antecipada uma taxa de câmbio em uma data futura. “Um importador, por exemplo, pode contratar o banco para se proteger das oscilações cambiais e ter previsibilidade com seus gastos e ganhos. A ideia é que o empresário se preocupe apenas em desenvolver seu negócio e não com a taxa de câmbio”, explica.

Exemplo prático de como usar NDF na sua empresa

Vamos pensar em um exemplo prático: uma importadora precisa pagar US$ 100 mil de suas mercadorias compradas no exterior daqui seis meses. No dia do fechamento do contrato com a parceira comercial, a taxa de câmbio é de R$ 5,20, mas não há como garantir qual será a cotação futura nesse período. Ela pode subir, elevar os custos e reduzir a margem de lucro, por exemplo.

“O importador pode usar o NDF para travar a taxa de compra dos dólares a R$ 5,20 e no fim do contrato terá o preço garantido e previsível. O valor a ser pago será em reais e calculado pela diferença da cotação no dia do fim do contrato”, diz Bruno.

No dia do vencimento da operação, caso o dólar esteja acima de R$ 5,20, o banco pagará para a empresa toda a diferença entre a taxa do vencimento e a taxa da contratação, garantindo uma previsibilidade dos volumes negociados. No cenário oposto, caberá à empresa pagar a diferença ao banco de forma negociada previamente.

Em tempos de instabilidade econômica, o NDF ganha força entre as companhias com transações internacionais. “Não há valor máximo, nem mínimo para contratar essa ferramenta. Além disso, quem determina o período da trava e a moeda em questão é o cliente. Nosso trabalho é ajudar a encontrar a melhor solução para cada negócio”, finaliza Bruno.

Quer saber um pouco mais sobre câmbio e derivativos? Participe da minha consultoria Pense Como Empresa. Clique aqui e mande uma mensagem no meu WhatsApp.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Multipropriedade?

Sandro Souza | 10/04/2021 | 11:00 Primeiramente, é preciso entender que quando falamos em fração imobiliária, o assunto se divide em dois conceitos diferentes: fraction e time sharing. Sendo assim, você sabe o que significa ter um imóvel compartilhado? Multipropriedade é o regime de condomínio em que cada um dos proprietários de um mesmo imóvel é titular de uma fração de tempo, à qual corresponde a faculdade de uso e gozo, com exclusividade, da totalidade do imóvel, a ser exercida pelos proprietários de forma alternada. Diferente do time-sharing a multipropriedade da direito a escritura pública. O tempo de uso para cada comprador fica definido de acordo com a fração de sua participação na compra.  Fraction No modelo fraction o cliente é detentor da propriedade, ou seja, tem o direito ao título do bem, além de todos os direitos inerentes ao imóvel, podendo até mesmo vendê-lo e lucrar com a sua valorização. Na prática, os integrantes de um grupo de fraction têm, de fato, uma fração do o

ITBI - Imposto sobre transmissão de bens imóveis

Sandro Souza | 28/01/2021 | 07:00 ITBI é o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis realizada “Inter Vivos”, por ato oneroso, que deve ser pago ao município onde está situado o imóvel. O ITBI deve ser pago pelo adquirente dos bens ou direitos. No exemplo de compra e venda de um imóvel, quem deve pagar o imposto é o comprador. O ITBI incide sobre a transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física e de direitos reais sobre bens imóveis, exceto os de garantia e as servidões, bem como sobre a cessão, por ato oneroso, de direitos relativos à aquisição de bens imóveis, situados nos limites territoriais do Município de São Paulo (Lei 11.154/1991, Lei 13.107/2000 e Lei 14.256/2006). Cabe dizer que a competência de tributação deste imposto é do município. Neste post estou utilizando informações referente a São Paulo pois as informações foram retiradas do site www.prefeitua.sp.gov.br Quer saber mais sobre isso? É só mandar um e-mail

SFI - Sistema de Financiamento Imobiliário

 Sandro Souza | 26/01/2021 | 07:00 SFI significa Sistema de Financiamento Imobiliário. Esse tipo de financiamento surgiu no ano de 1997 e foi desenvolvido a partir da Lei 9.514/97 que dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa imóvel e dá outras providências. Ele foi lançado pelo governo com a finalidade de realizar financiamentos imobiliários que não atendem aos critérios do Sistema Financeiro Habitacional (SFH) e que excedam o valor da Carteira Hipotecária. A criação do SFI resultou em uma resposta positiva do mercado imobiliário, justamente por oferecer condições de mercado mais adaptáveis com o incentivo governamental. Os destaques principais foram o aumento do fluxo das venda de imóveis de luxo e o estímulo para que as empresas pudessem financiar uma sede, filial ou indústria. O resultado disso também foi o aumento da oferta de empregos e mobilização da economia. Quer saber mais sobre isso? É só mandar um e-mail para sanapso@gmai